A surpreendente recuperação da venda de imóveis

Qualidade do concreto começa na estocagem do cimento
março 21, 2018
Caixa realiza nova edição do Feirão da Casa Própria em Santos
maio 1, 2018

Dados do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) dão conta de que as vendas na cidade de São Paulo atingiram 23.629 unidades em 2017, expansão de 46,1% em relação a 2016.

Embora tardiamente, a recuperação da economia chegou com força ao mercado imobiliário de São Paulo, facilitando a redução de estoques pelas empresas do setor e estimulando novos empreendimentos. Depois de três anos de queda vertiginosa dos negócios com imóveis, os últimos dados do Sindicato da Habitação do Estado de São Paulo (Secovi-SP) dão conta de que as vendas na cidade de São Paulo atingiram 23.629 unidades em 2017, expansão de 46,1% em relação a 2016. Avanço ainda mais significativo, de um ano para outro, tiveram os lançamentos de novos projetos, que totalizaram 28.657 unidades, mais 48%, com um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 13,8 bilhões, 29% mais do que em 2016.

Esses resultados surpreenderam até mesmo os empresários ligados ao setor, como disse o presidente do Secovi-SP, Flávio Amary. Animado pelo maior movimento dos últimos meses, o setor chegou a prever aumento modesto de 5% a 10% das vendas em 2017. Mas, em 2016, o mercado estava demasiado deprimido, com as vendas não tendo passado de 16 mil unidades. Também os lançamentos (17,6 mil) foram os mais baixos da série iniciada em 2004. Daí o excepcional aumento agora constatado.

O programa Minha Casa, Minha Vida deu uma contribuição substancial. Dados do Secovi indicam que o programa foi responsável por 10.343 lançamentos em 2017, representando 36% do total, bem mais que o dobro do ano anterior (4.154 lançamentos, com participação de 23%).

Falta muito, porém, para as vendas voltarem ao patamar de 2013 (33,3 mil unidades), bem como ao número de lançamentos naquele ano (34,2 mil). Mas as condições são favoráveis a um crescimento gradual. As empresas dizem que já sentem a percepção de melhora das condições econômicas pelos consumidores, e há razões para isso. Os preços no mercado estão estáveis e já se ouve em diferentes bairros de São Paulo o ruído de novas construções de edifícios de apartamentos, geralmente de unidades menores, os juros baixaram, a Caixa Econômica Federal não deixou de atuar nessa área e os bancos privados mostram mais interesse por esse mercado.

Não se pode deixar de notar que o novo alento ao mercado imobiliário tem efeito direto na maior contratação de trabalhadores pela construção civil, o que mais adiante deve refletir-se na taxa de desemprego.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *